Assine Já
terça, 19 de outubro de 2021
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
VULNERABILIDADE SOCIAL

Alerj aportará recursos para execução de plano de ação contra a Covid-19 nas favelas

Será criado um gabinete de crise específico para as comunidades, integrando Governo do Estado, prefeituras e moradores

05 maio 2020 - 14h52Por Redação

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj), deputado André Ceciliano (PT) afirmou, nesta segunda-feira (4), que o Parlamento Fluminense está disposto a ajudar a financiar o plano de ações de enfrentamento ao Covid-19 nas favelas. O anúncio foi feito durante uma reunião virtual realizada pela Comissão de Direitos Humanos da Alerj, para combater a covid 19 nas favelas do Rio de Janeiro.

A reunião, presidida pela deputada Renata Souza (PSOL),  contou com a presença de representantes da Fiocruz, professores, pesquisadores das Universidades Federal e do Estado do Rio de Janeiro (UFRJ e UERJ) e da Ponticífia Universidade Católica (PUC-RJ), além de profissionais de saúde e coletivos de moradores de favelas, responsáveis pela elaboração do documento.

“Só nos meses de março e abril a Alerj economizou R$108 milhões e está disposta a aportar recursos para concretizar esse plano. Fundamental incluir gestores na implementação desse plano tão importante. A Assembleia está a disposição para investir recursos, mas precisamos buscar parcerias além do Governo do Estado”, disse o presidente da Casa.

Um dos principais pontos abordados na reunião foi a criação de um gabinete de crise específico para as comunidades, integrando Governo do Estado, prefeituras e moradores. Durante o encontro foram apresentadas ações de prevenção, atendimento médico e apoio social previstas para evitar novos casos de coronavírus e reduzir o impacto da pandemia entre a população das comunidades.  

 “É fundamental a instalação desse gabinete de crise justamente para que tenhamos uma instância real de compromisso de uma ação articulada. É preciso que esse gabinete de crise possa dar conta das especificidades das favelas resultante da desigualdade social, tanto para o acesso à assistência social, quanto ao prevenção e ação em saúde pública. Precisamos frear o crescimento da contaminação por coronavírus nas favelas e periferias”, afirmou a deputada estadual Renata Souza, presidente da Comissão de Direitos Humanos da Alerj.

Só nos meses de março e abril a Alerj economizou R$108 milhões e está disposta a aportar recursos para concretizar esse plano. Fundamental incluir gestores na implementação desse plano tão importante. A Assembleia está a disposição para investir recursos, mas precisamos buscar parcerias além do Governo do Estado”, disse.

O Plano, formulado por moradores de favelas e acadêmicos, lista diversas ações de prevenção, atendimento médico e apoio social para evitar novos casos de coronavírus e reduzir o impacto da pandemia entre a população. O documento prevê ações de prevenção como a veiculação de alertas para a população sobre os riscos da covid-19 e a importância do uso de máscaras. Durante a reunião também foi proposta a desinfecção das favelas, como as que vêm sendo feitas pela prefeitura; o teleatendimento para esclarecer as dúvidas dos moradores e a atenção a possíveis difusores, como os mototaxistas, já que as pessoas compartilham capacetes por exemplo.

Em relação ao atendimento médico, o plano propõe a implantação de Pólos de Atendimento exclusivo para Covid-19 nas Comunidades com mais de 50 mil habitantes. A utilização dos prédios das escolas públicas ou de outros espaços públicos existentes nas comunidades ou em seu entorno para a realização de quarentena assistida por indivíduos com sintomas da doença, mas que não precisam de internação hospitalar, também foi citado no documento.

Representando o Instituto Raízes em Movimento do Complexo do Alemão, Alan Pinheiro defendeu o apoio do poder público para que as ações possam ser efetivadas. “Pensar em um plano que atenda essas especificidades das favelas é fundamental. O saneamento nunca foi universalizado, temos problemas com o fornecimento de água, esgotamento sanitário e recolhimento do lixo. Apesar da pandemia ter começado numa classe social mais elevada, ela está se proliferando nas comunidades”, disse.

A engenheira, pesquisadora e fundadora do coletivo Rocinha Resiste, Magda Gomes, complementou e disse que os problemas estruturais já existentes estão se agravando com essa situação. “O isolamento social não está sendo possível. Moram muitas pessoas em casas de cômodos pequenos. A Rocinha tem cinco escolas que poderiam servir para as pessoas que precisem ficar em quarentena assistida”, ressaltou.

O professor da PUC-RJ, Marcelo Burgos, assinalou que a pobreza não está limitada as favelas. “Esse plano, com algumas adaptações, pode ser adequado também a determinadas áreas da região metropolitana. A cidade está disposta a participar da rede de solidariedade, é preciso coordenar isso. Algumas favelas, pela localização, estão mais contempladas que outras, isso precisa ser pensado”, apontou. Segundo ele, outro problema nas comunidades têm sido a falta de apoio e agilização nos sepultamentos.

Participaram da reunião os deputados Flavio Serafini, Dani Monteiro e Mônica Francisco, do PSOL, assim como os deputados Waldeck Carneiro do PT, Márcio Pacheco, do PSC e Martha Rocha, do PDT.

 
 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.