Assine Já
quarta, 01 de dezembro de 2021
Região dos Lagos
25ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 53693 Óbitos: 2188
Confirmados Óbitos
Araruama 12500 448
Armação dos Búzios 6584 73
Arraial do Cabo 1754 93
Cabo Frio 15591 902
Iguaba Grande 5572 147
São Pedro da Aldeia 7051 290
Saquarema 4641 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
RECUO DIPLOMÁTICO

Associação Comercial de Cabo Frio desiste de ação bilionária contra a China

Entidade pedia “reparação ao povo brasileiro por causa de novo coronavírus”

24 abril 2020 - 17h17Por Rodrigo Branco

A Associação Comercial e Industrial de Cabo Frio (Acia) desistiu da ação que pedia indenização de R$ 420 bilhões do governo chinês por causa da crise econômica provocada pelo novo coronavírus. A informação foi passada em primeira mão para a Folha pelo advogado Anselmo Ferreira de Melo da Costa, que entrou com a ação na 16ª Vara Federal do Distrito Federal.

De acordo com o advogado, o motivo dado pela Acia para a desistência foi “não prejudicar a pacificação e harmonia existente os países” e “ não criar nenhum tipo de prejuízos a acordos e negociações positivas de investimentos que a China possa vir a fazer no Brasil”.

A entidade pedia “reparação ao povo brasileiro por causa do novo coronavírus”. Desde a sua divulgação, a notícia ganhou manchetes, inclusive, de veículos da imprensa nacional. Nas redes sociais da Folha, muitos internautas criticaram a atitude e chegaram a ironizar a iniciativa da entidade. A reportagem tentou entrar em contato com a presidente da Acia, Patrícia Cardinot, mas ela não atendeu às ligações.

Apesar da desistência da Acia em participar, a ação contra o país asiático continua, tendo à frente a organização religiosa Templo do Senhor, que tem sede no bairro de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio de Janeiro.

A notícia, que chegou a ser publicada pelo jornal Folha de S. Paulo, foi motivo de polêmica. Uma das críticas foi feita por Pedro José, que é de Cabo Frio e estuda Relações Internacionais na UFRJ. Em texto publicado na plataforma medium, o jovem de 21 anos analisou que, "ainda que a ação não fosse considerada inepta, ainda que fosse de competência da justiça brasileira (o que argumento não ser), não existe fundamentação para narrativa de que o coronavírus seja um plano chinês para distorcer os mercados globais e gerar grande demanda de máscaras e equipamentos respiratórios". 

"Caso o vírus tivesse surgido em outro país, seria ele o centro das atenções no comércio internacional pela compra dos seus excedentes de produção e equipamentos já utilizados. E, em qualquer cenário, é impossível imaginar qualquer dinâmica de comércio internacional sem forte participação chinesa. Não há a necessidade de uma costura política para que a China seja a principal beneficiada dessa demanda, afinal, é onde se concentram as principais manufaturas têxteis, de peças de aço e boa parte das indústrias de insumos médicos. Assim como também não há indícios de violações às normas do comércio internacional nesse sentido. Portanto, a justificativa da presidente da ACIA de Cabo Frio de que a China deveria ser judicialmente responsabilizada por ser a principal beneficiária econômica é também equivocada. Qualquer afirmação nesse sentido não é técnica, e não passa de teoria da conspiração, o que não é compatível com o processo jurídico, nem com a atuação de uma instituição tão importante quanto a ACIA".

 

 

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.