Assine Já
sexta, 14 de maio de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
17ºmin
Tropical
Tropical mobile
TEMPO REAL Confirmados: 38094 Óbitos: 1459
Confirmados Óbitos
Araruama 9614 300
Armação dos Búzios 4695 57
Arraial do Cabo 1317 69
Cabo Frio 10146 538
Iguaba Grande 3800 93
São Pedro da Aldeia 5248 227
Saquarema 3274 175
Últimas notícias sobre a COVID-19
Governo

Uso de fundo previdenciário causa divergência na Câmara de Cabo Frio

Governo quer usar recursos do Ibascaf para pagar salários; servidores contestam

16 dezembro 2015 - 10h04Por Nicia Carvalho

A sessão da Câmara de ontem teve mais polêmica sobre o paga­mento de salários e 13º dos apo­sentados de Cabo Frio. O vereador Aquiles Barreto (SD) apresentou relatório do Conselho Adminis­trativo do Ibascaf, que aponta que a entidade precisa de R$ 7,4 mi­lhões para efetuar o pagamento. Para cobrir o rombo, o vereador Vinícius Corrêa (PP), sobrinho do prefeito Alair Corrêa, sugeriu o uso do fundo previdenciário mu­nicipal. A ideia é usar os recursos de funcionários que começaram a contribuir em 2011, o que totaliza atualmente cerca de R$ 9 milhões.

– Um dos fundos é zerado e pago mensalmente, e o outro tem o montante de R$ 9 milhões. En­tão, sou favorável [a usar o fun­do]. Vamos garantir o pagamento de aposentados e pensionistas ou ficar com essa carga na consciên­cia? – argumentou Vinícius.

Mas os apelos, ao contrário de efeito positivo, criaram clima de tensão. Com muitos gritos, a as­sistência criticou a ideia de Viní­cius e exigiu que Olney Vianna, presidente do Sindicato dos Ser­vidores de Cabo Frio (Sindicaf), usasse a tribuna. Os vereadores Luis Geraldo e Aquiles Barreto foram contrários à ideia, assim como os representantes do Sindi­caf e do Sindicato dos Trabalha­dores da Saúde (Sindsaúde).

– O vereador Vinícius omitiu, não sei por qual motivo, o valor do repasse mensal que somente novembro e dezembro foi de cer­ca de R$ 10 milhões e 800 mil. Não precisa mexer no fundo. Se a Casa aprovar, vamos denunciar todos os vereadores que votarem a favor por crime de improbida­de administrativa – disparou Ol­ney da tribuna.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa desta quarta-feira (16)