Assine Já
terça, 01 de dezembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
20ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 12398 Óbitos: 542
Confirmados Óbitos
Araruama 2426 118
Armação dos Búzios 1201 16
Arraial do Cabo 427 16
Cabo Frio 3809 182
Iguaba Grande 1129 40
São Pedro da Aldeia 1874 76
Saquarema 1532 94
Últimas notícias sobre a COVID-19
IN NOMINE PATRIS

Ministério Público prende ex-deputado estadual e candidato a vereador em Cabo Frio

De acordo com a denúncia, Silas Bento implementou esquema de "rachadinha" na Alerj

23 outubro 2020 - 11h30Por Redação
Ministério Público prende ex-deputado estadual e candidato a vereador em Cabo Frio

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ) com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ), prendeu nesta sexta-feira (23) ,em Cabo Frio, o ex-deputado estadual Silas Bento e seu filho, o candidato a vereador por Cabo Frio Vanderson Bento, na operação “In Nomine Patris”. 

De acordo com a denúncia, Silas implementou um esquema de “rachadinha” em seu gabinete contando com a participação da funcionária Taissa Saldanha Alves, que repassava parte dos valores que recebia a Vanderson.

Os mandados requeridos pelo GAECO/MPRJ foram expedidos pela 2ª Vara Criminal de Cabo Frio, que também determinou que Taissa compareça mensalmente ao juízo para informar e justificar suas atividades, se abstenha de manter contato com Silas e Vanderson, e não se ausente de Cabo Frio por prazo superior a 10 dias. A operação também cumpre mandados de busca e apreensão nos endereços dos denunciados.

Ainda de acordo com o MPRJ, Silas nomeou Taissa em janeiro de 2017 com a condição de que a funcionária não precisaria comparecer ao seu gabinete e repassaria ao deputado mensalmente, por meio de Vanderson, R$ 10 mil de um salário aproximado de R$ 11 mil. 

Durante os meses em que esteve nomeada como assessora parlamentar, de janeiro de 2017 a novembro de 2018, Taissa desviou, em proveito próprio e dos outros dois denunciados, dinheiro público consistente em sua remuneração recebida pela Alerj, causando, em consequência de sua conduta, um prejuízo ao erário de R$ 249.840,12.

Os três foram denunciados por organização criminosa e peculato. Já Silas foi denunciado também por lavagem de dinheiro e extorsão.
 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.