Assine Já
terça, 22 de setembro de 2020
Região dos Lagos
19ºmax
16ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 7847 Óbitos: 412
Confirmados Óbitos
Araruama 1514 100
Armação dos Búzios 473 10
Arraial do Cabo 231 13
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 640 34
São Pedro da Aldeia 1284 51
Saquarema 1150 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
assalto

Médico agredido por ladrões no Braga passou por cirurgia facial

Ex-diretor do Hospital de Arraial, Paulo Roberto Silva correu risco de morte por conta de agressões

13 agosto 2016 - 11h22Por Fernanda Carriço
Médico agredido por ladrões no Braga passou por cirurgia facial

Ex-diretor do Hospital Geral de Arraial do Cabo, o obstetra Paulo Roberto Silva, 55, foi vítima de roubo e tentativa de homicídio no último dia 31.
Na noite de quinta-feira, a Polícia Civil prendeu Thayná Borges de Medeiros Nunes, 20, empregada doméstica do médico, e Yago Guthier Sant’anna Marques, 24. Eles são acusados de tentativa de latrocínio e extorsão e tiveram a prisão preventiva decretada pela Justiça. A polícia investiga a identidade de uma terceira pessoa envolvida no caso.

O médico estava internado na Unidade de Terapia Intensiva do Hospital Clinerp, onde passou por cirurgia, mas já teve alta. Segundo fontes, Paulo Roberto teve lesões graves no rosto e teve que fazer reconstrução facial.

O médico, morador do Braga, estava em casa na noite do dia 31 de julho, um domingo, por volta das 18h, quando dois homens entraram pela porta da frente, que já havia sido deixada aberta pela empregada doméstica Thayná.

Segundo a polícia, ela sabia que o médico guardava dinheiro em casa.

Os dois homens agrediram o médico para que ele dissesse onde estava o montante. Os agressores conseguiram pegar R$38 mil, mas queriam mais. Para isso, bateram muito no médico, que chegou a correr risco de morte por conta de tantas lesões.

Os ladrões ainda tentaram matar a vítima por asfixia.

– Ele sofreu muitas lesões, bateram muito nele. Não ficaram satisfeitos com os R$ 38 mil, queriam senha de cartões e mais dinheiro. A Thayná era uma pessoa de confiança do médico e sabia o que ele tinha o dinheiro em casa. Participou diretamente do crime. O quadro de saúde da vítima agora é estável – afirmou ontem à tarde à Folha o delegado responsável pelas investigações, o titular da 126 ª DP, Carlos Abreu.