Assine Já
segunda, 10 de maio de 2021
Região dos Lagos
24ºmax
16ºmin
http://www.alerj.rj.gov.br/
http://www.alerj.rj.gov.br/
TEMPO REAL Confirmados: 37383 Óbitos: 1430
Confirmados Óbitos
Araruama 9540 293
Armação dos Búzios 4618 57
Arraial do Cabo 1313 69
Cabo Frio 9882 523
Iguaba Grande 3740 92
São Pedro da Aldeia 5088 224
Saquarema 3202 172
Últimas notícias sobre a COVID-19
DST

Saúde alerta para alto índice de casos de sífilis no Estado do Rio

Dados preocupam autoridades estaduais de saúde

07 novembro 2020 - 14h11Por Raquel Faillace / Estado RJ
Saúde alerta para alto índice de casos de sífilis no Estado do Rio

O número de casos de sífilis no estado preocupa os especialistas. Segundo o último balanço da Secretaria de Estado de Saúde, de janeiro a abril, hove 3.069 registros da doença no estado. Em todo o ano de 2019, a Sífilis Adquirida foram 16.206 casos. Provocada por uma bactéria transmitida na relação sexual, a doença pode ser evitada com cuidados simples – o principal deles, o uso de preservativo.

De acordo com o levantamento da secretaria, a maioria das pessoas infectadas tinha entre 20 e 29 anos, mais da metade era do sexo masculino e a maior proporção era de pessoas com o Ensino Médio completo. A sífilis também pode ser passada da mãe infectada para o bebê pela placenta ou durante o parto natural se a mãe apresentar alguma lesão.

A manifestação inicial da sífilis pode acontecer em forma de uma ferida indolor nos órgãos genitais, de dez a 90 dias após relações com uma pessoa contaminada. A doença tem cura e deve ser tratada o quanto antes.

 - A sífilis pode ser prevenida com o uso de preservativos, mas estudos apontam que o tempo de relacionamento do casal interfere nesse uso, ou seja, em relações mais duradouras o uso do preservativo não é constante. Além disso, na população jovem a gente observa grande recusa ao preservativo. Isso ainda é uma barreira que enfrentamos - lembra a gerente do setor de Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs) da Secretaria de Saúde, Denise Pires, que destaca: - É importante dizer também que o diagnóstico precoce é fundamental, a sífilis tem cura, as unidades de saúde têm testes rápidos e o tratamento é garantido pelo SUS.

Denise Pires explica ainda que as equipes do setor de ISTs da secretaria realizam trabalhos em maternidades, além de ações em parceria com os municípios.

- Visitamos todas as maternidades estaduais para observar a utilização adequada dos protocolos de tratamento. A gente faz também a investigação dos óbitos de sífilis congênita. Infelizmente, o Rio de Janeiro é um dos principais estados com mortes de crianças. É uma situação muito triste. Também atuamos junto à atenção primária dos municípios, focando no fortalecimento e melhoria do pré-natal. Isso porque o diagnóstico de sífilis na gestante deve ser feito no pré-natal e ela deve receber o tratamento adequado o quanto antes – enfatiza.  

Sífilis nas gestantes e Sífilis congênita

Em grávidas, há o risco de a sífilis não tratada ou tratada de forma inadequada ser transmitida para o feto causando a sífilis congênita, podendo ocorrer em qualquer fase da gestação ou na hora do parto por lesões genitais maternas. A sífilis na gestante pode provocar aborto, prematuridade, baixo peso ao nascer e até mesmo óbito neonatal. Por isso, o diagnóstico precoce e o tratamento oportuno e adequado das mulheres e seus parceiros no pré-natal são fundamentais na redução de sequelas e da mortalidade associada à sífilis congênita. Nas crianças, a doença, que pode ocorrer nos dois primeiros anos de vida, pode gerar retardo mental, cegueira, surdez, lesões de pele e deformidades dentárias e ósseas.

- Um grande desafio para a redução da sífilis congênita é o sistema de saúde desenvolver formas de conseguir captar o parceiro dessas gestantes. Às vezes a mulher faz o tratamento, mas o parceiro, por vários motivos, não frequenta o serviço de saúde, então a mulher sofre uma nova infecção – alerta a Denise Pires.

Segundo ela, o preconceito em torno das doenças sexualmente transmissíveis é um fator que afasta as pessoas do tratamento precoce.

- É fundamental a discussão sobre saúde sexual e saúde reprodutiva para que as mulheres e os homens tenham esclarecimento sobre prevenção dessas infecções sexualmente transmissíveis. Existe ainda muito preconceito em relação à sífilis e isso precisa ser considerado um agravo. É importante as pessoas saberem que há tratamento no serviço público. Inclusive, há testagem não só para a sífilis, mas também para HIV e hepatites B e C – reforça.  

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.