Assine Já
sexta, 25 de setembro de 2020
Região dos Lagos
27ºmax
18ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8032 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1614 102
Armação dos Búzios 477 10
Arraial do Cabo 241 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1309 51
Saquarema 1165 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Lar esperança

Lar Esperança: ​‘Me sinto acuada e só um milagre para salvar o Lar’, lamenta Cida

Sem verba, Aparecida Porto, presidente da instituição, não vê saída

26 janeiro 2016 - 10h33
Lar Esperança: ​‘Me sinto acuada e só um milagre para salvar o Lar’, lamenta Cida

Após 20 anos, o Lar Esperança corre o risco de fechar as portas em definitivo. O encerramento das atividades seria ontem, mas funcionários e pessoas que ajudam a instituição ainda buscam última chance de manter as atividades. Aparecida Porto, a Cida, presidente da instituição, avalia a possibilidade de promover campanha entre amigos para doações em dinheiro, mas reconhece que a medida seria paliativa. Até a próxima sexta, a dívida da entidade será de R$ 120 mil. Atualmente, o Lar abriga nove residentes, além de atender uma população flutuante de cerca de 50 pessoas. 

– Estou me sentindo acuada e só um milagre para salvar o Lar. Temos as pessoas que vivem aqui, que não têm para onde ir, além de funcionários e fornecedores. Todos precisam receber para sobreviver. Temos apenas a promessa de que a prefeitura vai renovar o convênio para este ano, mas, se for como aconteceu em 2015, não teremos como ficar com as portas abertas – contou Cida, que dá continuidade ao trabalho começado pela mãe, nos idos dos anos 2000.

Segundo ela, as dívidas passaram a se acumular em 2014, quando do convênio de R$ 204 mil anual com a Prefeitura de Cabo Frio, apenas R$ 183 mil foram repassados. O ano passado, que começou no vermelho, se agravou quando a instituição recebeu apenas R$ 68 mil, referente a três parcelas, e este ano nenhum depósito foi feito. Para quitar salários de dezembro e parte do 13° de funcionários da casa, foi necessária a realização de um empréstimo.

– Com a verba que vem da prefeitura pagamos a folha de pessoal, impostos e contas de água, luz e telefone. Então só com doações não conseguiremos manter, pois estas servem para medicamentos, combustível para levar pacientes a consultas e material de limpeza, porque o ambiente tem que ser muito limpo – enumerou Cida.

Por conta da falta de repasses, hoje a instituição acumula três avisos de corte de energia que tem valor mensal em média de R$ 1.200 (uma conta foi paga por doador), quatro de água e esgoto com média mensal de R$ 1.200 (uma também foi quitada por doador), além de duas contas de telefone em atraso, com valor médio de R$ 300. Os telefones, inclusive, foram cortados para fazer ligação.

‘Não temos para onde ir’ – “Eu e todos os que estão aqui não temos para onde ir. Já passei mal, tive pico de pressão e outros colegas também. Estou muito abatido, para baixo, preocupado. Muitas pessoas aqui são diabéticas, usam andador, precisam de atenção o tempo todo. Aqui temos enfermeira, duas, só porque o restante foi cortado. A situação é de muita dificuldade e apreensão entre todos nós, mas se Deus abriu o Lar, não vai fechar”, comentou Marcelino do Livramento, 58 anos, no Lar Esperança e em Cabo Frio há 16 anos.