Assine Já
terça, 19 de outubro de 2021
Região dos Lagos
20ºmax
17ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52181 Óbitos: 2123
Confirmados Óbitos
Araruama 12321 438
Armação dos Búzios 6500 72
Arraial do Cabo 1720 92
Cabo Frio 14677 858
Iguaba Grande 5464 140
São Pedro da Aldeia 6968 288
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
MEMÓRIA 31 ANOS

Especial: a imprensa regional nos primórdios da Folha dos Lagos

Fundador Moacir Cabral e seus contemporâneos falam sobre os desafios de noticiar três décadas atrás

08 maio 2021 - 14h00Por Rodrigo Branco

Produzir um jornal não era uma tarefa simples quando a Folha dos Lagos começou a circular, há 31 anos, como ainda não é hoje em dia. Contudo, sem os recursos tecnológicos, o processo de levar a informação para o público era artesanal e bem mais trabalhoso. O surgimento da Folha, em 30 de abril de 1990, veio de um lance de ousadia do fundador, jornalista Moacir Cabral, apenas duas semanas depois de o recém-iniciado governo Collor ter feito o famigerado confisco das poupanças; reduzindo a pó, poucos dias depois, a esperança no primeiro governo civil eleito em 29 anos.

E não faltavam notícias para dar naquela virada de 1980 para 1990. O muro de Berlim que dividia a Alemanha em duas durante a Guerra Fria foi derrubado e a gigante vermelha União Soviética era dissolvida. O Brasil mal havia voltado a ser uma democracia com a Nova República, em 1985, e veria Collor sofrer o impeachment, acusado de envolvimento em corrupção, pouco mais de dois anos depois. Nos gramados da Itália, a Seleção era eliminada pela Argentina, sob o estigma da Era Dunga. Aqui em Cabo Frio, a gestão estava nas mãos do médico Ivo Saldanha; e em Arraial, de Hermes Barcellos, que morreria naquele ano.

Em formato tabloide e com periodicidade quinzenal, a Folha surgia ‘tímida’, nas palavras de seu fundador, mas disposta a fazer e contar história, apesar das limitações.

– As dificuldades para se fazer jornal em 1990 eram muitas. Já tínhamos saído do chumbo e da linotipo [antigos processo de impressão], com a chamada impressão ‘a quente’. A perdição eram as barulhentas [máquinas de escrever] Remington. Mas, para se ter ideia, poucos tinham telefone na cidade. Isso é um fator de dificuldade para produzir notícia, a produção gráfica era toda feita em Niterói e no Rio, com os jornais transportados em carros particulares ou ônibus. Hoje, com a produção gráfica computadorizada concluída, em menos de dez minutos está na gráfica no Rio e logo depois da meia noite já está em distribuição com os demais jornais cariocas e da região – compara Cabral.

Além dos jornais de circulação na capital, dividiam as bancas e as atenções dos leitores o jornal ‘Aqui’, tabloide mensal do jornalista José Correia Baptista e da colunista social Sueli Pedrosa; a ‘Folha de Cabo Frio’, do jornalista Ralph Bravo, e ‘O Cabo-friense’, fundado por Arlete Simone, Marilena Alves e Heraldo Queiroz. Se naqueles tempos, web rádio era coisa de ficção científica, a tradicional Rádio Cabo Frio AM, fundada em 1951 pelo historiador e advogado Wilton Massa e o engenheiro Wander Noronha, era quem chegava aos ouvidos, corações e mentes do povo.

A casa foi a primeira do radialista e comunicador Amaury Valério, que completa 32 anos no ar em junho com seu programa. Amaury destaca que naquela época, a classe jornalística da cidade se comunicava mais do que hoje.

– O início foi difícil e passamos por muitas provas. A gente se falava quase que diariamente, trocando informações, diferente de hoje, quando a gente vai na internet e vê todos os veículos, e até vê pessoas que nem são jornalistas fazendo ‘jornalismo’. A gente tem uma competição depois da internet, mas o rádio e o jornal sempre terão o seu papel de destaque, tanto nas mãos, como nos ouvidos e olhos da comunidade, por causa de um trabalho diferenciado. Naquela época, o coração batia mais forte, acelerava mais, mas estamos nos adaptando aos novos tempos – afirma Amaury, pontuando que a Rádio Globo era a líder de audiência até o seu programa estrear, em 15 de junho de 1989. 

Contemporâneo de Amaury e Cabral, Ralph Bravo lembra a importância do jornalista José Resende, antigo editor do jornal ‘Gazeta da Baixada’, que cobria polícia para o jornal O Globo. O veterano repórter relembra que Resende morava próximo à delegacia de Cabo Frio e, de manhã cedo, já corria atrás do livro de ocorrências.

Ralph diz que o conheceu durante uma das vezes que Resende sentou na mesa da calçada do antigo Restaurante Junior, na Praça Porto Rocha, para acompanhar o movimento. Uma edição da Folha de Cabo Frio debaixo do braço de Ralph foi a senha para o começo do papo. Ele ressalta a importância do trabalho documental feito pelo colega.

 – Cito José Resende porque graças a ele e aos jornais que ele editou pude levantar os dados necessários para compor cenários das décadas de 50 e 60 e ilustrar algumas das 30 biografias que redigi sobre empreendedores cabo-frienses do século passado.  Assim como o acervo da Folha dos Lagos será a fonte primária de pesquisadores daqui a 50, 100 anos, a coleção da Gazeta da Baixada me mostrou a importância dos jornais para a memória de uma comunidade, uma cidade, um município – comenta.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.