Assine Já
sexta, 18 de junho de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
18ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 42971 Óbitos: 1659
Confirmados Óbitos
Araruama 10577 334
Armação dos Búzios 5176 57
Arraial do Cabo 1486 82
Cabo Frio 11408 615
Iguaba Grande 4427 107
São Pedro da Aldeia 5868 254
Saquarema 4029 210
Últimas notícias sobre a COVID-19
Adriano

Eleições 2016: Adriano Moreno ignora Janio Mendes

Cotado como vice do pedetista, vereador sonha com prefeitura

25 outubro 2015 - 09h00Por Nicia Carvalho

Ex-aliado do prefeito Alair Corrêa, o vereador Adriano Mo­reno, mesmo que não admita, se sentiu um estranho no ninho na bancada que representa o Chefe do Executivo na Câmara. Sem espaço político no grupo, a saída foi a troca de partido: ele deixou o PP e migrou para a Rede Sus­tentabilidade na tentativa de al­çar vôo próprio. Cotado para ser vice de Janio nas eleições do ano que vem, agora ele prega liber­dade e afirma que pode lançar candidatura própria.

Folha dos Lagos: Você espe­rava um primeiro mandato tão conturbado?

Adriano Moreno: Eu não espe­rava uma legislação muito árdua. Entrei com um sonho e quando vi estava vivendo um pesadelo. Me deixa triste ao descobrir que não existe um consenso, um trabalho direcionado para o bem comum. O que a gente vê, na maioria das vezes, é que os trabalhos são para o bem próprio. Eu sempre sonhei e, dentro da minha profissão, eu procuro honrar isso, em trabalhar para o bem do cidação, por uma cidade mais justa e igualitária que dê oportunidades aos menos favo­recidos. Esse é o meu sonho. E o meu pesadelo é descobrir que não existe um consenso em relação a esse tipo de pensamento.

Folha: Decorridos dois anos, quais suas impressões sendo um novato na política?

Adriano: Ser médico é mui­to mais fácil do que ser político. Operar fraturas graves é muito mais fácil do que conviver no dia a dia desse mundo porque o inte­resse político é maior. As pessoas precisam vestir o sapato da hu­mildade para poder trabalhar pelo bem do povo. Dessa vida a gente não leva nada e o que a gente pode esperar da vida é o que a gente faz pelo semelhante para não ter uma passagem em branco pela Terra.

 

*Leia a entrevista completa na edição impressa deste fim de semana