Assine Já
domingo, 19 de setembro de 2021
Região dos Lagos
26ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 50688 Óbitos: 2057
Confirmados Óbitos
Araruama 12158 430
Armação dos Búzios 6182 64
Arraial do Cabo 1680 90
Cabo Frio 14015 822
Iguaba Grande 5355 134
São Pedro da Aldeia 6830 284
Saquarema 4468 233
Últimas notícias sobre a COVID-19
cemitério

Cemitério Santa Isabel está saturado e abandonado

Sujeira e mato tomam conta de tudo e servidores ameaçam protestar com paralisação

10 junho 2016 - 09h30Por Gabriel Tinoco
Cemitério Santa Isabel está saturado e abandonado

Há tempo que o problema do Cemitério Santa Isabel, no Portinho, em Cabo Frio, não se restringe ao pouco espaço. Além da sujeira, a capinação precária deixa a grama avançar entre as covas. A falta de material também atrapalha o trabalho dos servidores que, por sua vez, estão sem salário e ameaçam com a possibilidade de paralisação.

Nos últimos meses o problema tem causado sérios transtornos. Mesmo assim, nenhuma providência foi tomada até agora. Outro problema nos dias de sepultamento é a grande quantidade de moscas.

Silêncio – Desde o início da semana a reportagem da Folha dos Lagos telefona insistentemente para o diretor de Posturas da prefeitura, Wilson Lobato, que, no entanto, não atende as ligações e muito menos retorna.

Um dos servidores lotados no cemitério, que preferiu não se identificar, afirmou que tem que levar o material de casa para poder trabalhar.

– Falar que está faltando alguma coisa não é novidade. Agora até tem material, mas normalmente a família é que tem que trazer. Esse mato alto é porque a empreiteira que fazia o corte não teve o contrato renovado – denuncia.

Em março, famílias denunciaram que faltavam tijolo, areia e cimento para os sepultamentos.

Além da falta de material, os servidores do Cemitério Santa Isabel pedem melhores condições de trabalho, pois sequer têm local apropriado para as refeições e para tomar banho. Muitos jazigos também estãoquebrados e empoeirados.

Invasão de gaveta 

A bióloga Perla Cristina Tola, que mora em Roma, esta semana foi ao cemitério para visitar o túmulo do pai, Salvatore Tola, e ficou surpresa com o que viu. Na redação da Folha, ela disse ontem que ‘simplesmente tiraram o corpo do meu pai e colocaram outro no lugar’. Ela disse que a gaveta está ocupada com o corpo de Carlos Antônio da Silva, desde 17 de abril último.

– Tenho documento provando que há a perpetuação da gaveta. Só hoje (ontem) me informaram que os ossos dele foram colocados num saco e estavam junto ao túmulo da minha mãe. Falaram que a retirada foi ordem de Rodrigo, da Secretaria de Postura. Quero minha gaveta de volta. Eles pensavam que não tinha ninguém aqui para conferir e trocaram. Se eu não tivesse o túmulo da minha mãe, onde meu pai estaria neste momento? No lixo – complementou Cristina. O cemitério tem cerca de duas mil gavetas. A administração prometeu a construção de pelo menos mais 200 gavetas e 300 covas, até agora nada foi feito.