Assine Já
sábado, 26 de setembro de 2020
Região dos Lagos
29ºmax
19ºmin
Mercado Tropical
Mercado Tropical Mobile
TEMPO REAL Confirmados: 8076 Óbitos: 418
Confirmados Óbitos
Araruama 1625 102
Armação dos Búzios 483 10
Arraial do Cabo 242 15
Cabo Frio 2555 140
Iguaba Grande 671 36
São Pedro da Aldeia 1323 51
Saquarema 1177 64
Últimas notícias sobre a COVID-19
Arraial

Arraial responde a vandalismo em escolas na cidade

Governo de Arraial instalará grades e alarmes interligados à Guarda Municipal

04 maio 2017 - 07h09
Arraial responde a vandalismo em escolas na cidade

 A depredação de duas escolas municipais em Arraial do Cabo, na madrugada de ontem, ganhou resposta imediata: o secretário de Segurança Pública, Márcio Galo, e a secretária de Educa­ção, Mônica Nilze, fizeram vis­toria no Jardim de Infância Emí­lia Corrêa, na Praia dos Anjos, e no Colégio Francisco Porto, no Centro, na tarde de ontem. Eles concluíram que alarmes e grades em pontos estratégicos ajudarão na prevenção ao crime contra o patrimônio.

Os alarmes serão instalados por setor e estarão ligados à Guarda Municipal para precisar melhor a hora e o local em que o van­dalismo foi feito. A secretária de Educação também estuda a pos­sibilidade de colocar um ou mais vigias em cada escola, dependen­do do tamanho da unidade.

No caso da Emília Corrêa, as aulas foram suspensas para perícia e registro de boletim de ocorrência na 132ª DP (Arraial). A escola amanheceu com papéis espalhados pelo chão, pichações, cadeiras e mesas reviradas, e materiais escolares fora do lugar. No turno da tarde, as atividades retornaram. O vandalismo no Francisco Porto foi mais ameno: apenas portas forçadas e rabiscos nas paredes.

– A ideia mesmo não era de furto. Era de vandalismo. Agora à tarde já tem aula. A Secretaria de Obras e a empresa de ma­nutenção vão dar um jeito para colocar a escola em funciona­mento. Temos mais disposição de fazer acontecer do que quem quer depredar o patrimônio pú­blico – desabafa Mônica Nilze.

Não é a primeira vez em que uma escola de Arraial sofre com as ações de vândalos. Em junho de 2015, a Escola Municipal João Torres, na Prainha, amanheceu revirada de cabeça para baixo. Nenhuma sala foi poupada. No entanto, não houve roubo.