Assine Já
quinta, 21 de novembro de 2019
Região dos Lagos
24ºmax
20ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
marquinho

TRE mantém indeferimento do registro de Marquinho

Cristiane Fernandes também sofre derrota em sessão no tribunal

21 junho 2018 - 20h36
TRE mantém indeferimento do registro de Marquinho

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) indeferiu na tarde de ontem, em segunda instância, o registro de candidatura de Marquinho Mendes (MDB) a prefeito de Cabo Frio nas eleições suplementares, que acontecem depois de amanhã. O recurso apresentado pela defesa de Marquinho após o indeferimento pelo juiz eleitoral de Cabo Frio foi negado por cinco votos a um. Apesar disso, a foto do ex-prefeito constará na urna eletrônica para a votação deste domingo. Além disso, ainda cabe recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), mas apenas depois da eleição.

Com o resultado, os votos recebidos por Marquinho no pleito não serão computados, assim como aconteceu em 2016. Contudo, desta vez, caso ele seja o primeiro colocado nas urnas, precisará de um resultado favorável no TSE, seja por meio de novo julgamento ou pela obtenção de um liminar, antes do prazo estabelecido para a diplomação, que é 16 de julho. 

Antes do julgamento propriamente dito, houve uma tentativa da defesa de adiá-lo para depois da eleição, por meio de um agravo regimental, mas ela foi negada por quatro votos a um. A estratégia era conseguir o adiamento da decisão com base na substituição do advogado de Marquinho, agora defendido por Eduardo Damian Duarte. Durante sua apresentação, Damian chegou a reclamar de ‘cerceamento do direito de defesa’, com a alegação de não ter tido tempo de conhecer os autos do processo, mas não convenceu os magistrados. Apesar da derrota, o advogado saiu confiante em uma reviravolta no TSE.

– A defesa tem o entendimento consolidado de que quem participou da eleição em 2016, pode concorrer em 2018 – comentou Damian, para o jornalista Sidnei Marinho, da Rede Litoral News, na saída do julgamento. 

Também falaram no julgamento o procurador eleitoral Sidney Madruga, que reforçou a posição do Ministério Público Eleitoral (MPE) pelo indeferimento. Em seguida, o advogado Hélio Gualberto, que defende a coligação do candidato Adriano Moreno (Rede), também pediu a negativa do recurso de Marquinho.

A votação começou pelo parecer da relatora do processo, a desembargadora Cristiane Frota, que votou contra Marquinho. No entendimento da relatora, Marquinho não deu causa à nova eleição, mas está com os direitos políticos suspensos em função de condenação por improbidade no Tribunal de Justiça (TJ-RJ), na semana passada. Os quatro votos seguintes também foram contrários à Marquinho: dos desembargadores Nagib Slaib, Luis Antonio Soares, Cristina Feijó e Antonio Aurélio Abi-Ramia. 
No entanto, para os quatro, Marquinho deu causa ao pleito suplementar, afastando a questão da condenação por improbidade. O único a votar pelo provimento do recurso foi o desembargador Raphael Mattos. É exatamente a divisão de teses, apesar do placar elástico, que mantém a esperança da equipe de defesa, coordenada pelo advogado Carlos Magno de Carvalho, agora responsável apenas pelo registro da candidata a vice, Rute Schuindt (PPS).

– Marquinho ganhou. Tenho profundo respeito pelo TRE, mas a divisão no julgamento só mostra que a tese da defesa sempre foi correta. Tenho clareza de que vamos ganhar no TSE – comentou Carlos Magno, afirmando que há ‘nulidade’ do julgamento de ontem, pelo fato de o Tribunal não ter dado prazo para o novo advogado se familiarizar com o processo.

Apesar do otimismo, os advogados de Marquinho terão que ser ágeis, uma vez que há previsão de recesso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE), em julho. Com isso, fica praticamente reduzido à semana que vem qualquer tentativa de reviravolta.

Cristiane e Carmem são indeferidas por unanimidade – Assim como aconteceu com o recurso de Marquinho Mendes (MDB), os pedidos apresentados por Cristiane Fernandes e Carmem Almeida, ambas do PSDB, também foram negados, só que por unanimidade (6 X 0).

No entendimento dos desembargadores, Cristiane e Carmem apresentaram o registro de candidatura no TRE fora do prazo estabelecido na Resolução 1.029/2018, no caso, o último dia 26 de maio. 

O advogado de Cristiane, Tiago Santos, falou que entrará com recurso no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) hoje mesmo. Assim como Marquinho, a candidata tucana já tem a foto inserida nas urnas eletrônicas e poderá ser votada, mas seus votos não serão contabilizados até a decisão final da Justiça. 

– Já esperávamos um julgamento duro. A tese que defendíamos já tinha sido objeto de matéria enfrentada no TSE, mas o TRE nunca a tinha enfrentado essa matéria. O registro foi feito fora do prazo da resolução por circunstância alheia à vontade da candidata, que foi preterida do cargo de vice (de Adriano) após a convenção – disse Tiago Santos, confiante em reverter a situação em Brasília.

A reportagem entrou em contato com a candidata Cristiane Fernandes, mas, de acordo com a sua assessoria, ela estava em uma reunião com a equipe.