Assine Já
quinta, 21 de novembro de 2019
Região dos Lagos
24ºmax
20ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
Polícia Federal

Polícia Federal descarta compra de votos em ocorrência de dinheiro apreendido neste sábado (23)

'Ninguém compra voto passando recibo', diz o delegado Javé Soares

24 junho 2018 - 14h20Por Redação I Foto: Divulgação
Polícia Federal descarta compra de votos em ocorrência de dinheiro apreendido neste sábado (23)

O delegado responsável pela operação para coibir crimes eleitorais em Cabo Frio, Javé Macedo Soares, descartou que o dinheiro apreendido pela Polícia Civil neste sábado (23) tenha sido para comprar de votos na eleição suplementar da cidade. O delegado Marcello Maia, titular da 126ª DP (Cabo Frio) disse em primeira mão para a Folha que foi apreendida uma caixa com cerca de R$ 5 mil e recibos com nomes de pessoas, que seriam pagas por trabalhar na campanha do prefeito Marquinho Mendes (MDB). O delegado Javé Macedo confirmou a versão de Marcello Maia e disse que o caso será arquivado.

– Esse caso foi um engano. Tratam-se de pessoas que estavam trabalhando e seriam pagas pelo serviço prestado. Não há indício de compra de votos. Ninguém compra voto e dá recibo. A Polícia Civil abriu a ocorrência e vai mandar para a Polícia Federal de Macaé, mas não vai ser gerado inquérito – explica o delegado federal.

O caso causou grande polêmica na véspera da eleição suplementar de Cabo Frio. Nas redes sociais, chegou a ser compartilhada a informação de que duas grandes malas de dinheiro foram apreendidas, mas o delegado da Polícia Civil Marcello Maia desmentiu a versão e disse que os responsáveis por propagar a falsa denúncia podem responder criminalmente.

Delegado diz que presença da PF intimida crimes eleitorais

O delegado Javé Soares fez um balanço parcial da operação da Polícia Federal na tarde deste domingo (24). Segundo ele, “mais tranquilo impossível”, uma vez que até o fechamento desta matéria não houve registro de detenções por crimes eleitorais.

– Não houve nenhum flagrante de distribuição de cestas básicas, de compra de votos ou de boca de urna. Atribuo isso à presença da Polícia Federal na cidade, que intimida quem comete esse tipo de crime. Não é porque ficaram honestos de uma hora para outra – avalia o delegado.

A operação da PF na eleição suplementar de Cabo Frio conta com 12 agentes e quatro viaturas, sendo uma no segundo distrito, que fazem a ronda ostensiva em toda a cidade. Os agentes federais atuam em conjunto com a Polícia Militar, a Promotoria Eleitoral e o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ).