Assine Já
segunda, 18 de novembro de 2019
Região dos Lagos
26ºmax
18ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
Geral

Campanha eleitoral começa para valer em Cabo Frio

Partidos fazem últimas articulações para hoje registrar chapas no TRE 

19 maio 2018 - 10h33

RODRIGO BRANCO

 

Agora é para valer. Amanhã começa a campanha da primeira eleição suplementar da dos 502 anos de história de Cabo Frio. Partidos e coligações têm até as 19 horas de hoje para registrar as candidaturas no Tribunal Regional Eleitoral (TRE-RJ). Sem alianças, a chapa do PSOL, composta por Leandro Cunha e Professor Betinho está registrada desde o começo da semana. As demais dependiam dos últimos acertos e conversas, que tomaram conta dos bastidores políticos nos últimos dias.

A principal dúvida que persiste é sobre quem vai compor a chapa com Adriano Moreno, da Rede Sustentabilidade, após os acordos com o PDT e com a ex-secretária da Melhor Idade Cristiane Fernandes terem fracassado. Até o fechamento desta edição, a informação que a reportagem apurou foi a de que o médico ortopedista e ex-vereador escolheria uma mulher com base eleitoral no segundo distrito.

Até ontem, nos bastidores, ainda havia tentativas de alguns setores de retomar o entendimento entre a Rede e os pedetistas, o que não ocorreu até o fechamento desta reportagem. As tentativas de reconciliação começaram na quarta passada, com telefonemas de Adriano para o ex-prefeito José Bonifácio Novellino, da Executiva Estadual do PDT. No dia seguinte, o próprio candidato da Rede foi à Assembleia Legislativa do Rio para pedir desculpas ao deputado estadual Janio Mendes (PDT) pela ruptura antes da convenção do partido, na segunda, e tentar uma recomposição, o que foi rechaçado. Segundo Janio, a única possibilidade de isso acontecer seria uma renúncia de Adriano em prol do vereador Rafael Peçanha (PDT).

– Só se ele convencesse o PSB e o Radamés Muniz (candidato a vice de Peçanha) a abrirem mão. – comentou o deputado, em alusão à chapa formada entre pedetistas e socialistas.

A reportagem tentou entrar em contato com o candidato da Rede para comentar os últimos movimentos, mas não conseguiu. Contudo, de acordo com a assessoria dele, as conversas para composição estavam na etapa final e, entre os partidos, PSDB e PC do B estavam fechados com ele.

Governo amplia o arco – Cassado por uma decisão do TSE no último dia 24 de abril, o ex-prefeito Marquinho Mendes (MDB) tenta voltar para a cadeira ancorado em uma aliança com 18 partidos, ou seja, ainda maior do que a construída para as elei- ções de 2016, quando o então PMDB coligou com outras 11 legendas.

Em alguns casos, os acordos foram feitos ‘por cima’, isto é, com as lideranças estaduais. No caso do PR, fechado com o deputado federal Altineu Côrtes e do PP, com o deputado Júlio Lopes e o vice-governador Francisco Dornelles. A costura com o PMB também foi via Executiva Estadual, a despeito da oposição do vereador Vanderlei Bento na Câmara de Cabo Frio.

Contra o candidato governista, no entanto, há a inseguran- ça jurídica. Os advogados dos adversários já anteciparam que irão entrar com pedido de impugnação por entenderem que Marquinho não poderia participar do pleito suplementar por ser o seu causador. Entretanto, na sexta-feira da semana passada, o advogado de Marquinho, Carlos Magno de Carvalho, anunciou a retirada do parágrafo da lei complementar 1.029/2018, que impedia a participação do seu cliente.

De todo modo, o prazo para qualquer cidadão com seus direitos políticos possa, através de petição, pedir a impugnação de qualquer registro de candidatura será de cinco dias corridos. Caso isso aconteça, Marquinho será notifi cado no mesmo dia e poderá oferecer contestação em até sete dias. Os pedidos de registro, inclusive os impugnados, devem estar julgados pelo juiz da 96ª Zona Eleitoral até 8 de junho. Os recursos devem ser requeridos em até três dias a partir da publicação da sentença. Eles serão apresentados no TRE, que deverá tomar uma decisão sobre ele e publicá-la até o dia 21 de junho, três dias antes do pleito suplementar