Assine Já
quinta, 29 de julho de 2021
Região dos Lagos
17ºmax
13ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 46093 Óbitos: 1865
Confirmados Óbitos
Araruama 11325 353
Armação dos Búzios 5456 57
Arraial do Cabo 1564 87
Cabo Frio 12599 755
Iguaba Grande 4756 114
São Pedro da Aldeia 6144 273
Saquarema 4249 226
Últimas notícias sobre a COVID-19
Romance

Miguel Sousa Tavares: paixão e intriga sob a linha do equador

Romance de estreia do português retrata São Tomé e Príncipe no fim da monarquia

25 outubro 2015 - 09h00Por Luis Gurgel

Berço de alguns dos escrito­res mais brilhantes da literatura portuguesa, como José Sarama­go e Eça de Queirós, Portugal passou por certa seca de novos e promissores autores no início do novo milênio. Felizmente, este sombrio cenário não persistiu por muito tempo, e um dos res­ponsáveis por esta guinada é do jornalista Miguel Sousa Tavares, que despontou como escritor, no já longínquo 2003, com o seu primeiro romance: Equador.

A história narra os eventos da vida do lisboeta Luís Bernardo, um homem culto, com grandes ideias, mas que até então não havia encontrado a oportunida­de exercê-las. Isto, no entanto, muda quando Bernardo recebe um chamado do Rei D. Carlos I, que o convida a assumir o posto de Governador das ilhas de São Tomé e Príncipe. A sua missão seria atuar no seio das complicadas relações entre os senhores e os seus empregados, que estavam sob o olhar atento dos ingleses, já que as condições de trabalho dos mesmos encon­travam-se próximas à de escra­vidão, e o mundo do início do século XX não mais fazia vista grossa a estea situação.

Imerso neste cenário, Mi­guel Sousa Tavares utiliza o seu já conhecido talento como jornalista para tecer críticas e relatar com grande habilidade fatos históricos, que transpu­seram o leitor para a época. Ao mesmo tempo, descobre-se também o talento como roman­cista do autor, pois o desen­rolar da história de Bernardo prende o leitor do início ao fim. Seja por conta dos confrontos entre os poderes, seja pela api­mentada relação amorosa do português com Ann, esposa de David, o inspector enviado pe­los ingleses e responsável por ditar o sucesso ou falhanço da missão de Luís Bernardo.

 

*Leia a matéria completa na edição impressa deste fim de semana