Assine Já
segunda, 23 de maio de 2022
São Paulo
23ºmax
11ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 89397 Óbitos: 2439
Confirmados Óbitos
Araruama 17822 469
Armação dos Búzios 8585 77
Arraial do Cabo 2120 96
Cabo Frio 21771 1002
Iguaba Grande 16473 153
São Pedro da Aldeia 10607 298
Saquarema 12019 344
Últimas notícias sobre a COVID-19
O CHARME DA 'BOLACHA'

Gira Vinil completa seis anos com festa na Praia do Siqueira

Projeto valoriza sonoridade do bom e velho LP, que voltou à moda nos últimos tempos

13 maio 2022 - 09h55Por Rodrigo Branco

O som único que sai do atrito da agulha com os sulcos de um antigo disco rodopiando sobre a vitrola tem um apelo irresistível para o público do Gira Vinil, projeto que completa seis anos e vai comemorar a marca neste sábado (14), no Quiosque Brico e Bel, na Praia do Siqueira, em Cabo Frio. A edição festiva terá a participação de convidados, a partir das 16h.

Depois de mais de 250 edições em diversos locais da região, na capital e até fora do estado, o evento volta ao ponto de partida, fiel ao charme ‘vintage’ de um hábito novamente ganha espaço entre o público consumidor de música, que preza a sonoridade da boa e velha ‘bolacha’, o antigo longplay, que reinou absoluto até meados dos anos 1990 nos lares brasileiros.

Idealizado em 2016 pelo produtor cultural Renan Veiga e pelo beatmaker e turismólogo Klauss Melo ‘Mr.Kondbeats’, o Gira ganhou a adesão do artista plástico e cineasta Rafael Turrini, três anos mais tarde. Para Renan, tem como conceito valorizar o consumo de música no formato analógico, em uma plataforma de prensagem física, em tempos de serviços de streaming e canções codificadas em arquivos MP3.

– A gente optou pelo vinil pela questão da pesquisa mesmo. A gente encara como uma pesquisa mais ampla de discotecagem, de conhecimento mais profundo do artista ou da música que a gente está tocando. A gente tem mais contato com ficha técnica, até as impressões gráficas do vinil e tudo mais. A gente acredita também que estar com a prensagem física ali já é um apelo estético bem bacana – pondera Renan.

O atual acervo, de cerca de três mil discos, foi construído paulatinamente, por meio de compras em sebos e lojas e também de doações. Para as apresentações, o coletivo costuma carregar de 200 a 300 LPs, além dos equipamentos, como os toca-discos. 

O que poderia soar anacrônico, na verdade, cativa um público cada vez maior e mais fiel, que está atrás, sobretudo, de música, brasileira, que respoinde pela maior parte do acervo do trio. Entre os títulos, desde ‘standards’ das festas, como Tim Maia, Jorge Ben e Rita Lee; a nomes menos conhecidos, como Ed Lincoln, celebrado instrumentista dos anos 1960. O tom de contemporaneidade é garantido por trabalhos de artistas como Céu, Black Alien e Baiana System.

Moderno ou tradicional, o caldeirão sonoro propagado pelo Gira Vinil mira em várias direções e acerta todas. Ainda que com as charmosas imperfeições dos chiados ou do braço da vitrola que teima em pular. Para Renan, o projeto resgata uma forma antiga do público se relacionar com a música.

– Acho que tem todo um charme a discotecagem no vinil, e tem a pesquisa, que é feita de outra forma. A gente vai em sebo procurar discos, conhece pessoas, conhece histórias de pessoas. Tem toda a relação de uma dedicatória de um disco ou de uma ficha técnica que você pega pra ler e tem agradecimentos, a relação de quem produziu, quem trabalhou, o ano que gravou, o nome da gravadora. Acho que tem esses contextos – avalia.

 

 

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.