Assine Já
segunda, 25 de outubro de 2021
Região dos Lagos
22ºmax
19ºmin
TEMPO REAL Confirmados: 52431 Óbitos: 2149
Confirmados Óbitos
Araruama 12371 441
Armação dos Búzios 6530 72
Arraial do Cabo 1736 92
Cabo Frio 14792 880
Iguaba Grande 5486 140
São Pedro da Aldeia 6985 289
Saquarema 4531 235
Últimas notícias sobre a COVID-19
Ciência

Covid-19: maior estudo feito até o momento aponta ineficácia da hidroxicloroquina

Pesquisa foi publicada pela "The New England Journal of Medicine", uma das mais conceituadas de pesquisa médica do mund

08 maio 2020 - 22h03Por Redação
Covid-19: maior estudo feito até o momento aponta ineficácia da hidroxicloroquina

Um estudo que vem sendo considerado o maior já feito até agora sobre o uso da hidroxicloroquina em tratamentos da covid-19 apontou que não há evidências de que a droga tenha reduzido o risco de entubação ou morte. A pesquisa foi publicado pela revista britânica "The New England Journal of Medicine",  uma das mais conceituadas revistas de pesquisa médica do mundo.

A suposição de que cloroquina e hidroxicloroquina, com ou sem combinação com azitromicina, teriam ação terapêutica contra a covid-19, aponta a revista, é baseada em relatos de médicos, não tendo comprovação em estudos científicos que atestem os efeitos positivos. O uso das drogas têm sido defendido pelos presidente dos EUA, Donald Trump, e pelo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro. Na Região dos Lagos, o deputado estadual Serginho Azevedo disse, após anunciar que testou positivo para o coronavírus, que foi  tratado com as substâncias hidroxicloroquina e azitromicina. 

A pesquisa foi realizada no Presbyterian Hospital, em Nova York, com 1.376 pacientes pacientes com teste positivo para o covid-19 que estavam em quadro moderado a grave, definido pelo nível de saturação de oxigênio no sangue inferior a 94%. Desses, 60% receberam hidroxicloroquina por cinco dias. O chefe do estudo, Neil Schluger, do Departamento de Pneumologia e Alergias de Columbia, afirmou que os pacientes que receberam hidroxicloroquina não apresentaram qualquer vantagem em relação aos pacientes que não tomaram a droga. “Não pensamos que seja razoável dar essa droga aos pacientes. Não há qualquer razão para fazer isso”, disse Schluger.

O oncologista e hematologista Daniel Tabak, membro da comissão de especialistas (ComCiênciaRJCOVID) que assessora do governo do Estado do Rio no combate do coronavírus, explica que o estudo mostrou o que era importante saber, se a hidroxicloroquina compria o objetivo esperado:

– E ela não cumpriu. Não evitou que um paciente fosse intubado nem reduziu a mortalidade – afirmou ao jornal O Globo.

Descubra por que a Folha dos Lagos escreveu com credibilidade seus 30 anos de história. Assine o jornal e receba nossas edições em casa.

Assine Já*Com a assinatura, você também tem acesso à área restrita no site.