Assine Já
quinta, 21 de novembro de 2019
Região dos Lagos
28ºmax
20ºmin
Apartamento
AP REC BANNER
Geral

Relatos de cabofrienses demonstram clima de insegurança na cidade

Medo faz parte da rotina 

24 maio 2019 - 08h36
Relatos de cabofrienses demonstram clima de insegurança na cidade

Nas ruas de Cabo Frio, a sensação de insegurança e o medo fazem parte dos relatos que moradores compartilharam com a reportagem da Folha, ontem.   A balconista Ana Júlia, de 29 anos, não gosta nem de falar sobre o assunto. 

– Infelizmente eu já fui assaltada três vezes. Duas vezes no ponto de ônibus e outra andando na rua. E toda vez que acontece é uma situação chata, a gente não se acostuma. Mais do que isso, é uma situação perigosa, porque até hoje não aconteceu nada comigo, mas poderia ter acontecido, né? E eu tenho medo que aconteça de novo.

O estudante Eduardo Alvim, de 23 anos, que foi assaltado no bairro do Braga quando voltava de bicicleta para casa. Para ele, a cidade vive um clima de insegurança.

– Aconteceu quando eu estava andando de bicicleta de volta para casa. Quando eu já estava perto, parei a bicicleta para abrir o portão, e foi quando um carro encostou, abriu a porta, mostrou a arma e falou “perdeu, perdeu”. Eu dei o celular e a carteira e eles foram embora. Essas situações geram um clima de insegurança enorme na população. Depois disso, sempre fico com receio quando paro para abrir o portão de casa – declarou. 

Mesmo que ainda não tenham sido atingidos diretamente, diversos moradores também relataram casos de familiares que sofreram com a violência. Foi o caso da neta de 15 anos do vendedor de coco Genilson Rodrigues, de 64 anos, que foi assaltada quando caminhava para ir para a escola. 

– Ela estava indo para a escola como sempre fazia. De repente chegou um rapaz, anunciou o assalto e levou o celular dela. Eu não estava na cidade quando aconteceu isso, e me senti muito triste. Mas acaba que é tão normal esse tipo de situação que o nosso pensamento sempre é o de agradecer pelo pior não ter acontecido, ou seja, por só terem levado o celular e nada mais – disse Genilson. 

O vendedor Jordan Santos, de 26 anos, lembrou do dia em que viu um casal ser assaltado a luz do dia, em pleno Centro da cidade.

– Cerca de uma semana atrás, aqui no Centro, por volta das 15h, eu vi um casal que estava voltando da praia e, de repente, chegou um rapaz de bicicleta anunciando o assalto. Pelo o que eles falaram, ele levou só o celular. E isso acontece em outros bairros da cidade, e não tem hora nem lugar. Tem muita gente que evita certos lugares da cidade por já saber que são pontos fixos de assalto – declarou.

Morador da Gamboa, o autônomo Rodrigo Lisboa, de 29 anos, cita que, após às 18h, a Ponte Feliciano Sodré se tornou um desses pontos de assalto, em que os moradores estão evitando passar sozinhos. 

– Várias amigas minhas já foram assaltadas por homens de moto enquanto estavam atravessando a ponte. A partir das 18h a ponte se torna ponto de assalto e quem já sofreu com isso fica com medo. Eu acho que é necessário aumentar o efetivo naquela área – disse.